Conheça as curiosidades do Buldogue Campeiro, raça de cão brasileira


Cachorro Buldogue Campeiro

O Buldogue Campeiro é uma raça de cães desenvolvida no sul do Brasil.

Acredita-se que seja um descendente do antigo Buldogue Inglês, introduzido no Brasil pelos europeus. 

O Buldogue Campeiro ganhou destaque no estado de Mato Grosso do Sul, onde era muito útil aos criadores de gado em frigoríficos. 

Na década de 1970 foi ameaçado de extinção devido às novas regulamentações sanitárias nos matadouros além da introdução de novas raças. 

Origem do Buldogue Campeiro

Existem várias teorias sobre a sua origem. 

A teoria mais popular indica a possibilidade de que ele originou-se através dos antigos (já extintos) buldogues ingleses.

Que chegaram ao Brasil através de imigrantes europeus durante o século 19 ou 20. 

Mais tarde, esses cães foram misturados com cães de raças locais. 

Primeira teoria: Antigo Buldogue Inglês

O antigo Buldogue Inglês era muito popular em grande parte da Europa Ocidental, durante a segunda metade do século 19.

Mas, na Europa, havia um interesse no desenvolvimento de raças distintas, para fins comerciais ou de exposição. 

Como isso, várias raças derivaram do antigo Buldogue Inglês, como o Bulldog moderno e o Bull Terrier.

No Brasil, a imigração europeia para a região sul, incentivada em vários momentos no início do século XIX e meados do século XX.

Resultou no introdução de muitas espécies de animais, especialmente várias variedades de bulldogs.

Além disso, na Europa, a padronização da maioria das raças de cães eram feitas com base na aparência. 

No entanto, as raças de cães trazidas para o Brasil tiveram que provar o seu valor demonstrando eficiência, excelência física e personalidade em seu trabalho diário. 

A pesquisa sobre o desenvolvimento dessas características levou à criação de raças muito diferentes das que existiam na Europa na mesma época.

Portanto, essa variedade particular de bulldog vem sendo preservada em terras brasileiras, graças à sua capacidade de procriar e trabalhar com a pecuária.

Segunda teoria: Cão de Fila da Terceira

O Cão de Fila da Terceira era uma raça canina portuguesa que vivia na ilha Terceira. 

Estes cães resultaram do cruzamento entre o Mastim Espanhol, o Mastim Português e o antigo Dogue de Bordéus (que é diferente da raça atual). 

Posteriormente, no século XVII, o antigo Buldogue Inglês, a variedade original “Bulldog” de tamanho reduzido chegou ao Brasil.

Em comparação com a variedade “Mastiff” (sem inserção de Bulldog), com a característica cauda torcida.

Este cão foi trazido para o Brasil durante a imigração portuguesa após a chegada da corte portuguesa em terras brasileiras. 

Sua variedade Mastim (mais próxima da forma original), depois de cruzada com Cão de Santo Humberto, pode ter dado origem ao Fila Brasileiro, outra raça de cão brasileira. 

Acredita-se que a variedade tipo Bulldog posteriormente cedeu lugar ao Buldogue Campeiro, ou pelo menos contribuiu para sua formação.

História do Buldogue Campeiro

O Buldogue Campeiro ajudava seus donos a cuidar do gado, mas não como um cão pastor. 

Os cães que se destacaram no trabalho com gado e porcos selvagens eram muito apreciados.

Tanto quanto os cães que sabiam guardar a carruagem e o cavalo dos tropeiros (os arrieiros e as mesas dos cavalos que viajaram entre as regiões do Brasil durante o Século 17). 

A raça exibia as características funcionais de seu provável ancestral, o antigo Buldogue Inglês.

Que conseguia segurar os porcos pelas orelhas até o abate e sozinho poderia dominar uma vaca de até 400kg.

Por isso, sua capacidade foi amplamente utilizada em antigos frigoríficos na região Sul do Brasil e na região que hoje é o estado de Mato Grosso do Sul. 

Nestes estabelecimentos os cães eram utilizados para submeter bovinos e suínos ao abate. 

No entanto, novas medidas legislativas introduzidas pela vigilância sanitária impediram o uso de cães nesses matadouros. 

Esse evento aliado à popularidade de raças estrangeiras que chegaram ao Brasil nas décadas de 1970 e 1980 resultou na desvalorização dos Buldogue Campeiro.

Considerados vira-latas muito comuns na época, e a raça quase foi extinta.

Recuperação da raça Buldogue Campeiro

Já quando jovem, o amante de cães Ralf Schein Bender se apaixonou pela coragem desta raça de cães que até então se chamava Burdoga. 

Seu desejo de possuir um cão assim o fez perceber a extrema escassez de cachorros desta raça. 

No final dos anos 1970, percebendo que este cão estava à beira da extinção, Ralf Bender começou a trabalhar para salvar a raça destes cães. 

Em 1977 adquiriu uma fêmea e percorreu o estado do Rio Grande do Sul para coletar os últimos exemplares da raça, passando então a criá-los. 

Seu trabalho se materializou em 2001, quando a CBKC* reconheceu oficialmente a raça e deu a ela o nome de Buldogue Campeiro.

Variedades exóticas

Novos criadores estão misturando e inserindo genes de outras raças para produzir variedades exóticas de Buldogue Campeiro com pelagem de diferentes cores. 

Como resultado desses programas de criação envolvendo o antigo Buldogue Inglês, surgem novos Buldogues Campeiro.

Com novas cores de pelagem exóticas, antes comuns na raça, como os cães de pelo merle e tricolor.

Aparência

O Buldogue Campeiro é um cão de porte médio e com uma estrutura física forte.

Por isso é um cão muito forte e ligeiramente pesado para o seu tamanho. 

A cauda é preferencialmente curta e torcida. 

Além disso, a raça tem uma pelagem curta e lisa e suas pelagens podem ser de cores diferentes. 

A cor da pelagem tradicional inclui fulvo, marrom e tigrado com manchas brancas. 

Existem cães totalmente brancos, mas devem ter mucosas e pálpebras pigmentadas, para evitar problemas durante o trabalho de parto.

Peso e Tamanho

Os Machos pesam entre 30 e 45 kg aproximadamente, já as fêmeas entre 30 a 40 kg.

Além disso, eles medem entre 48 e 58 cm na cernelha.

Personalidade do Buldogue Campeiro 

O Buldogue Campeiro destaca-se pela fidelidade ao seu dono, pela facilidade de adaptação e sobretudo pelo carinho com as crianças. 

Por isso, o seu tamanho e coragem os tornam excelentes cães de guarda. 

Mas cães desta raça podem ser um pouco ciumenta.

Desconfiado com estranhos e silenciosos, o Buldogue Campeiro é conhecido por não latir desnecessariamente. 

Esses cães precisam de um pouco de exercício diário se não estiverem diretamente envolvidos no manejo do gado ou em algum outro tipo de trabalho.

A sua expectativa de vida é em torno de 10 a 12 anos.

E então, gostou de conhece rum pouco mais sobre o Buldogue Campeiro?

Conta para nós nos comentários.

Raças que podem te interessar:

Cachorro Pitbull

Cane Corso

American Bully

*Confederação Brasileira de Raças Caninas